Avançar

1
RESERVATÓRIO
2
CASA MARTA ORTIGÃO SAMPAIO
3
CASA TAIT
4
EXTENSÃO DO ROMANTISMO
5
ENTRE QUINTAS
6
BANCO DE MATERIAIS
7
RIO DA VILA — em construção
8
CASA DOS 24 — a abrir
9
ARQUEOSSÍTIO —  a abrir
10
CASA GUERRA JUNQUEIRO
11
EXTENSÃO DO DOURO
12
CASA DO INFANTE
13
BIBLIOTECA SONORA
14
ATELIÊ ANTÓNIO CARNEIRO — a abrir
15
EXTENSÃO DA INDÚSTRIA — em construção
16
EXTENSÃO MATADOURO — em construção
17
BONJÓIA EXTENSÃO DA NATUREZA — em construção

EXTENSÃO DA INDÚSTRIA — em construção

1
RESERVATÓRIO
2
CASA MARTA ORTIGÃO SAMPAIO
3
CASA TAIT
4
EXTENSÃO DO ROMANTISMO
5
ENTRE QUINTAS
6
BANCO DE MATERIAIS
7
RIO DA VILA — em construção
8
CASA DOS 24 — a abrir
9
ARQUEOSSÍTIO —  a abrir
10
CASA GUERRA JUNQUEIRO
11
EXTENSÃO DO DOURO
12
CASA DO INFANTE
13
BIBLIOTECA SONORA
14
ATELIÊ ANTÓNIO CARNEIRO — a abrir
15
EXTENSÃO DA INDÚSTRIA — em construção
16
EXTENSÃO MATADOURO — em construção
17
BONJÓIA EXTENSÃO DA NATUREZA — em construção

EXTENSÃO DA INDÚSTRIA — em construção

Com projeto de reabilitação do Arquiteto Guilherme Machado Vaz a futura Extensão da Indústria irá localizar-se nos armazéns industriais onde estavam instaladas as antigas oficinas da EDP, em Campanhã,  sob a Ponte do Freixo.

 

O complexo de edifícios é acessível através da Rua do Freixo e tem uma área de 14000 m2, dos quais 4150 m2 correspondem a armazéns a reconverter em espaços de carácter distinto.

 

O projeto prevê uma adaptação das funcionalidades dos novos equipamentos aos espaços existentes sem que esta implique a descaracterização da sua identidade industrial. As futuras instalações da Extensão da Indústria são, em si, uma parte do espólio – e também património industrial – a divulgar junto do público.

 

Pretende-se preservar a memória industrial do edifício através de uma intervenção minimalista, a qual permita salvaguardar a atmosfera original das oficinas e, simultaneamente, dotar os novos espaços com as condições necessárias ao seu perfeito funcionamento.

 

Reformula-se o espaço público exterior para o reorganizar e criar melhores condições de circulação automóvel e de peões, dotando-o de uma área plana ampla e polivalente, próxima da Extensão da Indústria, que permita a realização de eventos ao ar livre.

 

A capacidade do edifício se afirmar na cidade enquanto espaço cultural passa por uma componente icónica que se pretende introduzir através de uma arquitetura verbal e gráfica, que entende a palavra escrita como o mais forte dos símbolos. Estes elementos serão introduzidos nos pavimentos exteriores e na fachada do edifício.

 

Pretende-se que a intervenção se assuma assim uma mais valia arquitetónica e urbana na conservação e recuperação deste espaço, sendo intenção que a mesma seja um importante contributo para a valorização do lugar e da cidade.

 

O projeto sonoro desta estação do MdC ficará a cargo de Pedro Tudela.

 

Imagens—Atlas: António Alves (MdC) e esquiços dos cadernos de Guilherme Machado Vaz.

Endereço

Rua do Freixo 1071, 4300-219 Porto

Eixos

SONORO

MATERIAL